Converter Outlook OST para PST

Quais são os arquivos OST e Por que OST para conversão PST?

O Microsoft Outlook funciona como um melhor aplicativo de mensagens para uma ampla variedade de organizações empresariais. E todas as organizações geralmente usam o Outlook para comunicação interna e externa.

E a maioria dos usuários do Outlook tem uma conta do Microsoft Exchange Server que reúne um arquivo de tabela de armazenamento offline. Arquivos offline (também chamados de OST) são criados pelo Microsoft Exchange Server. Basicamente, esses arquivos OST são arquivos de cache associados a uma conta do Exchange.

Quando sua conta é configurada com o servidor Exchange no modo habilitado para cache, o Outlook gera um arquivo OST para salvar os dados que você acessa enquanto trabalha no modo offline. Um arquivo OST contém todos os seus itens de e-mail salvos no modo off-line no disco rígido do sistema.

Todas as modificações que você faz na ausência de conectividade com a Internet, são salvas neste arquivo OST e uma vez que a conexão com a internet é restabelecida, as mudanças são atualizadas no servidor Exchange, ou seja, toda vez que você loga em sua conta, seu OST arquivo é sincronizado com o servidor do Exchange.

Esses arquivos OST funcionam em harmonia com o arquivo PST do Outlook, mantendo sua caixa de correio atualizada com e-mails, solicitações de reunião, relatórios de entrega e muito mais.

Embora o arquivo OST permita que você trabalhe no modo offline, existem algumas limitações (necessidades), que exigem a conversão do arquivo OST em PST.

Como o arquivo PST é independente de perfil, você pode abri-lo em qualquer perfil do Outlook e acessar seus dados.

Por exemplo, se você quiser mudar para outra conta do Outlook, então você precisa converter outlook OST para PST. Não é só isso, existem várias outras situações que exigem a conversão do arquivo OST em outro formato de arquivo compatível com o Outlook, como PST.

Por que você precisa converter o Outlook OST para PST?

Caso 1: tempo de inatividade do Exchange Server

Durante o período de inatividade do Exchange Server ou manutenção do Exchange Server, você não pode acessar sua caixa de correio. No entanto, se for necessário acessar os itens da caixa de correio durante o tempo de inatividade ou manutenção, você precisará usar o arquivo OST. Mas, o arquivo funciona em sincronia com o Microsoft Exchange Server.

Portanto, a única opção que você tem para acessar seus itens de email é exportar o arquivo OST para o formato PST e importá-lo para o seu perfil do Outlook.

Caso 2: falha do Exchange Server

Às vezes, o servidor Exchange falha sem aviso prévio devido a vários motivos, como picos de energia, software malicioso, invasão de vírus e muito mais. Se a falha foi grave, pode levar a problemas sérios ou até aterrissá-lo no instante em que você não pode se conectar ao MS Exchange Server.

Geralmente, essas circunstâncias são realmente complicadas e difíceis de serem resolvidas. Como a maioria desses eventos, os resultados repetiam mensagens de erro difíceis de entender até mesmo para um usuário normal.

Caso 3: Acessibilidade de Arquivos

O maior desafio dos arquivos OST é que você não pode acessar um arquivo OST ou seus dados (criados por um perfil do Outlook) em outros perfis. Isso ocorre porque, sempre que um arquivo OST é gerado, um código de criptografia será criado, o que vincula o arquivo ao perfil específico (que criou o arquivo OST). E, sempre que um usuário abre o arquivo OST, o Outlook tenta encontrar o código de criptografia. Se o código corresponder ao código salvo no servidor, o arquivo OST será aberto. Caso contrário, o usuário não poderá acessar o arquivo OST.

Portanto, converter o OST para PST ajuda a transferir seus dados de um local (conta ou computador) para outro.

Caso 4: Corrupção

Como dito anteriormente, os arquivos OST permitem enviar / receber e excluir emails, mesmo quando você não está conectado ao Exchange Server. E, assim que a conexão for estabelecida, todo o seu trabalho será sincronizado com o Exchange Server. Isso significa que todas as alterações feitas no arquivo OST ao trabalhar no modo offline serão refletidas no Exchange Server quando a conexão do servidor for criada.

No entanto, este arquivo OST fica corrompido, então todos os seus itens de correio ficam inacessíveis. E, consertar um arquivo OST corrupto é outra grande dor de cabeça.

Geralmente, um arquivo OST fica corrompido por causa de,

Terminar o arquivo (Outlook) de forma inadequada

• Desligamento abrupto do sistema

• problemas de software

• Falha de hardware

• Corrupção / danos no banco de dados

• Divisão do servidor

• infecção por vírus

• espaço de armazenamento insuficiente

• falhas de rede

• configurações erradas

Então, é uma decisão mais sensata converter OST para PST, em vez de consertar um arquivo corrompido.

Além desses aspectos listados, você pode encontrar vários outros motivos para a conversão de OST para PST, incluindo erros OST que impedem o acesso ao arquivo.

E todos os elementos acima evidenciam a barreira que um usuário pode encontrar ao trabalhar com um arquivo OST.

O acesso ao arquivo OST em um perfil diferente se torna um grande problema quando o usuário deseja buscar os dados salvos no arquivo OST. Portanto, o único método que torna possível é a conversão de OST para PST.

Existem vários métodos manuais para converter um arquivo OST em PST. Mas não use o método manual, a menos que você seja um usuário avançado; como eles são propensos a problemas. O processo de conversão de OST para PST requer uma ferramenta profissional que possa perfeitamente converter arquivos OST para o formato PST. A melhor opção para isso é optar por um programa profissional confiável e testado, como o Yodot OST to PST Converter.

Este conversor OST para PST prova ser uma ferramenta ideal para converter OST em PST sem problemas. Ele oferece uma interface auto-instrutiva e excelente assistência técnica que o orienta a converter facilmente o arquivo OST em PST. Assim, ajuda a economizar muito tempo e esforço; Vale a pena tentar.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *